Icewind Dale

Sessão #4

Marpenoth 5, 1485 DR

É noite após o embate com os yetis. Hengar Aensvaardson está desconfortável com Annette. Ela está em choque, cuidada por Brunhild Jarundotter. Hengar Aensvaardson conversa com Otyg Skoglundson e Tyrion. Sugere que deixam ela para trás para morrer. Tyrionestá preocupado com o ela pode fazer. Pensa que Hengar Aensvaardson pode ter feito algo com ela, contra sua própria vontade. Brunhild Jarundotter detecta magia e também uma aura maligna na adaga, que sugere que ela foi consagrada a uma divindade do mal.

Marpenoth 6, 1485 DR

Hengar mal dorme. Pela manhã, Tyrion coloca a adaga na frente de Annette, ela o ataca e ele a desacorda com um golpe na cabeça. Hengar Aensvaardson incita Brunhild Jarundotter a dar um fim nela, como fez com o Quaggoth infestado no underdark. Brunhild diz que não tem certeza sobre fazer isso, pois rezou para Tempos pedindo orientação e não recebeu qualquer sinal. Discutem, pois Hengar Aensvaardson, frustrado, diz que Tempos não falaria para uma pária como ela.

Dia está mais claro. Conseguem ver uma sombra de um ser humano voando, bem longe. Otyg reconhece como um Peryton, uma criatura de Auril.

Avistam Lac Dinneshere e fumaça a oeste. Clagg vai para a estalagem Luz do Norte. Os demais vão procurar pelos santuários da pequena cidade, esperando encontrar um clérigo viajante que possa consagrar a adaga e abençoar Annette. Encontram um santuário para Oghma e Tempos, e também um para Auril. Brunhild Jarundotter pressiona Annette e descobre seu nome quando fala em Reghed, a língua do seu povo bárbaro Reghed. Fica violenta querendo saber o que aconteceu na caverna, quando passam pescadores e intervém. Verificam que é a filha de Waldren e Lisandra, que estava desaparecida. Otyg Skoglundson e Hengar Aensvaardson vão com os pescadores até a casa dos pais de Annette. Conversam com a mãe sobre o ocorrido e falam que ela deve procurar o círculo dos druidas perto de Lonelywood. Brunhild Jarundotter vai pregar a palavra de Tempos pelas ruas, criticando o povo por aplacar Auril e envergonhar o deus da guerra. Descobre que o santuário de Auril que encontrou junto ao de Tempos e Oghma foi levantado por Davrick Fain há dois dias, um comerciante de Bremen, que esteve pregando na cidade e chamando a todos para um grande rito em nome de Auril.

Tyrion bebe com Clagg Halfhammer. Ouve de Allie, da estalagem, a história de que Duvessa Shane está na cidade para falar com Alden; que dois Luskanitas estão oferecendo proteção mágica contra os piratas do lago por preços abusivos; que os piratas, liderados por um tal Derrick, atacaram Easthaven ontem (daí a fumaça a oeste); que Galdo Otranti passou pela cidade e falou com Atreyu Swift, querendo saber sobre orcs e Rivergard; que um nobre de Cormyr, Marlos Euryale, está atrás de Otyg Skoglundson; que emissários de Feathergale Spire procuraram por itens de Gelo Negro.

Todos se juntam, menos Hengar Aensvaardson, que diz que irá até o empório Frozenfar Expeditions. Clagg sugere que sigam juntos até Feathergale Spire. Brunhild Jarundotter sugere que peguem um barco. Clagg Halfhammer oferece pagar por tudo se o levarem até Feathergale Spire, já que Rivergard é a leste da cidade, na direção da tribo de Hengar Aensvaardson. Eles aceitam.

Clagg Halfhammer vai com Brunhild Jarundotter contratar um barco. Conhecem os Luskanitas, a jovem arqueira Breena e Hamelin. A capitã, Areela Moonsee, relutantemente paga pela proteção mágica, chamando-os de falsários. Brunhild Jarundotter nota que Hamelin usa ilusões durante a aplicação dos sinais no barco, para parecer que há magia envolvida.

Otyg Skoglundson volta na casa de Annette para entregar a Lisandra uma carta em Druidico para ser entregue no Círculo, explicando o ocorrido e pedindo ajuda para sua filha. Encontra Hengar Aensvaardson no quarto da menina, lamentando que não tenham feito a coisa certa. Sai. Otyg Skoglundson toca a testa dela. Vê uma tempestade, uma silhueta dentro dela e depois apenas um noite escura e silenciosa. Ao sair, exorta a mãe a ir para o Círculo o quanto antes. Olhando para trás, vê um grande wicker man pegando fogo, atrás da casa. Vai meditar.

Tyrion vai a Frozenfar expeditions para compras. Conhece Marlos Euryale e oferece para apresentá-lo a Otyg Skoglundson. Fica sabendo de Atreyu Swift que Galdo Otranti comprou previsões para encarar a tundra; que perguntou de orcs; que perguntou se outros bárbaros tinham vindo do Icewind Pass além de Hengar Aensvaardson; e sobre Rivergard.

Todos se reúnem na estalagem Lanterna do Norte. Otyg Skoglundson conversa com Marlos Euryale, que conta que clérigos de Oghma em Cormyr o orientaram a vir para o norte após interpretarem seus sonhos, em que a terra e seu rosto rachavam, o que era preocupante para alguém que cultua Grumbar. Marlos Euryale procura pela profetisa do Underdark, Sora Kell, uma medusa. Otyg dá orientações e indica Asbjorn, um druida vinculado ao Enclave Esmeralda e responsável por monitorar os orcs da Espinha do Mundo.

Tyrion conversa com Duvessa Shane e sugere que ela não busque reaver seu posto, pois Ten Towns precisa acima de tudo de estabilidade. Ela o identifica como Luskanita, mesma nacionalidade que Vaelish Gant, e considera que ele está alinhado com o plano do mago, encerrando a conversa.

Partem de Caer-Konig e chegam em Rivergard em 3 horas pelo lago. Clagg Halfhammer vende algumas peças e contrata dois guarda-costas para a volta de Feathergale Spire para Rivergard, além de assegurar passagem com Areela Moonsee para Easthaven.

Chegam em Feathergale Spire. São recebidos por Savra Belabranta, segundo em comando no forte. Ela lhes oferece abrigo e mantimentos. Lorde Comandante Nicacias chega em seu grifo. Eles também veem hipogrifos e uma águia gigante. Perguntado sobre o porquê de não ter voltado para Waterdeep, Lorde Comandante Nicacias diz que o inverno precoce deixou os nobres presos, mas que agora vão aproveitar a oportunidade para desbravar o inverno terrível do Extremo Norte.

Deixam Feathergale Spire; Clagg Halfhammer fica no forte. No caminho para Rivergard, percebem três Perytons os seguindo. Discutem sobre buscar abrigo para se esconder ou acelerar o passo para Rivergard e correr o risco de serem atacados no campo aberto. Tyrion resta vencido e decidem seguir caminho. São atacados e Hengar Aensvaardson e Brunhild Jarundotter morrem em combate. Cavaleiros alados de Feathergale Spire chegam no fim do combate, tarde demais.

View
Sessão #3
Caer-Konig

Marpenoth 5, 1485 DR

Aos pés do Moledro de Kelvin, partem em direção a Caer-Konig. O burrico de Clagg Halfhammer acaba atrasando a todos, mas Otyg é capaz de conversar com ele e fazê-lo cooperar mediante a promessa de ganhar cerveja em Caer-Konig, uma vez que seu dono não está bebendo cerveja.

Durante o descanso para almoçar, Otyg Skoglundson e Brunhild Jarundotter vão caçar. Encontram dois Gatos dos Rochedos rondando à distância. Também encontram coelhos estraçalhados e não consumidos.

Esperando no acampamento, Tyrion tem a impressão de estarem sendo observados. Quando uma tempestade começa a se formar, ele ainda consegue observar contra o céu uma figura encapuzada seguindo em direção ao leste, pelas caminhos mais altos do Moledro de Kelvin.

São emboscados por Yetis. Hengar Aensvaardson é capturado em meio à forte nevasca que obscurece a travessia.

Encontram Rycher, que aceita ajudá-los a chegar ao covil dos Yetis. No covil, interrompem um ritual em nome de Auril, onde Hengar Aensvaardson seria sacrificado. Os yetis mantinham uma jovem cativa, que parece ter sofrido maus tratos e que estava a participar do ritual. Ela é vestida com uma coroa de chifres, que Otyg destrói ao fim do combate.

Ao destruir a coroa, a jovem parece ser possuída por alguma força e olha com ódio para Brunhild, antes de desmaiar. Encontram sob seu corpo uma Adaga bastante fria ao toque. Resolvem descansar.

View
Sessão #2
O Vale Anão

Marpenoth 4, 1485 DR

Os guardas anões concordam em escoltar o grupo até o Forte Battlehammer, que fica no maior e mais amplo conjunto de câmaras subterrâneas no Vale Anão.

Chegando lá, aguardam pelo início da audiência pública com o Dáin Stokely Silverstream. Conversando com os membros do clã Ironshield, Tyrion fica sabendo que Galdo Otranti recentemente passou pelo Vale, conversou com o Dáin e partiu através da Escalada de Bruenor.

A audiência teve início a oitiva de Clagg Halfhammer, trazendo notícias sobre Bryn Shander, a queda da Oradora Duvessa Shane e o inverno terrível que assola toda a região. Clagg solicitou escolta para retornar à cidade, mas o Dáin negou o pedido, haja vista que não pode abrir mão de qualquer homem na defesa do Vale contra os zumbis.

Em seguida, falou Thulad, sacerdote de Dumathoin. Chamou atenção do Dáin para o fato do Templo do Vale estar desguarnecido, já que todos os anões estão guardando a cidade e o caminho até as fazendas de cogumelos, rothé e peixes. Pede para que seja autorizado a ir para o Templo com um grupo de 12 anões, pedido que conta com o apoio das lideranças dos principais clãs, mas o Dáin permite que vá com apenas 6.

Após, Hengar Aensvaardson finalmente é ouvido. Fala do terrível inverno, do ataque da Bruxa e suas criaturas às tribos e aos animais, e que até a Tribo do Urso se voltou contra os co-irmãos, tão desesperadora é a situação. Mostrou a carta subscrita por Elza Silverstream e pediu a ajuda militar dos anões para derrotar a Bruxa.

O Dáin negou o pedido, dizendo que não pode abrir mão de guerreiros enquanto se defende da ameaça dos zumbis e, também, em razão do no clima de “guerra civil” com Baerick Hammerstone. Hengar fica muito nervoso com a situação e fica perto de perder o controle, mas após alguma discussão, o Dáin oferece refúgio temporário aos bárbaros da Tribo do Alce durante o inverno em troca de ajuda na luta com os mortos-vivos. Porém, não garante que os anões ajudarão no eventual embate com a Bruxa posteriormente.

Hengar aceita a proposta de Stokely, para a revolta de Brunhild Jarundotter, que considera a posição do Dáin covarde.

Após, Clagg Halfhammer interpela o grupo, pedindo para conversar sobre uma proposta de trabalho. Brunhild e Tyrion discutem, pois ela entende que não devem considerar sequer escoltar o comerciante. Tyrion negocia o valor de 48 gp para escoltar Clagg e suas mercadorias até Caer-Konig. De Caer-Konig seguirão pelo Icewind Pass até chegar nos acampamentos da Tribo do Alce.

Otyg Skoglundson cria um iglu a partir do gelo com sua magia, para passar a noite fora das cavernas. Enquanto conversam a céu aberto, Hengar vê um sinal num animal morto; seu sangue espirrado na rocha parece o chifre de um alce. Otyg então tem uma visão: como que sobrevoando a tundra nas asas de um animal, vê que a mancha de sangue em forma de alce se estende pela terra; ao longe, uma tempestade se forma em volta da silhueta que parece pertencer à bruxa, com raios de três cores cortando o céu e uma torre no fundo escuro da noite.

Todos discutem por conta da oferta de Clagg e o aceite de Tyrion, mas concordam em compartilhar o caminho até Caer-Konig, como fariam com qualquer viajante.

Marpenoth 5, 1485 DR

Pela manhã, Brunhild vai até Thulad e abençoa os 6 anões que vão partir para guardar o templo. Saindo por Daledrop, uma das saídas do Vale, vê nos montes a figura de Tempos os observando e virando as costas.

View
Sessão #1
O começo

Marpenoth 3, 1485 DR

Em Termalaine, Tyrion conhece Hengar Aensvaardson e sua missão: buscar a ajuda dos anões do Vale Anão. Curiosamente, o bárbaro tem em mãos uma carta assinada por Elza Silverstream, sua amiga e sobrinha de Stokely Silverstream, senhor do Vale Anão, na qual a comerciante atesta a legitimidade das intenções do bárbaro e roga ao Senhor do Vale para que seja prestada toda a ajuda possível.

Tyrion procura por Galdo Otranti, o Harpista Sênior residente em Termalaine, a fim de compartilhar essas informações, antes de retornar para Bryn Shander. Contudo, encontra apenas sua pupila, Brunhild Jarundotter, uma vez que há poucos dias que o Harpista partiu em viagem na direção do Vale Anão.

Brunhild Jarundotter vê o desenrolar dos fatos – a viagem de seu tutor, a história de Tyrion, a missão de Hengar Aensvaardson – como um sinal de Tempos. Decide, assim, seguir para o Vale Anão com o gnome e o bárbaro, seu conhecido da infância na Tribo do Alce.

Para evitar o pior do inverno inclemente, Brunhild Jarundotter sugere que busquem ajuda de Otyg Skoglundson, capaz de guiá-los pelo Underdark.

Partem no mesmo dia, acessando o Underdark através da antiga mina de turmalinas em Termalaine. Após um dia inteiro de caminhada exaustiva, param para descansar. Durante a vigília, encontram um grupo de Quaggoths feridos e acabam lutando com estranhas criaturas aracnídeas. Brunhild Jarundotter queima todos os Quaggoths depois do combate, evitando, também, que os corpos sirvam de hospedeiros para mais das criaturas aracnídeas.

Marpenoth 4, 1485 DR

No início da tarde desse dia, chegam ao sul do Vale Anão. Um grupo de seis anões os avistam ao longe, fazendo menção de que irão se aproximar.

View

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.